Quinta-feira, Abril 25, 2024

A decisão foi endossada pelo director-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus: “É com grande esperança”, anunciou ele, “que agora declaro o fim da Covid-19 como uma emergência de saúde global, mas isso não significa que a Covid tenha acabado em termos de sua ameaça à saúde global”.

O risco de novas variantes

O director observou que “ainda há o risco de novas variantes emergentes que podem causar novas ondas de casos e mortes. A pior coisa que os países podem fazer agora”, advertiu ele, “é usar essas notícias para baixar a guarda, desmantelar o sistema que construíram e enviar a mensagem às pessoas de que a Covid não é mais algo com que se preocupar”.

 

Mais de três anos de emergência 

A emergência foi declarada em Janeiro de 2020: desde então, houve pelo menos 6,8 milhões de mortes oficiais atribuíveis à pandemia (mas o número de mortos é certamente maior, em torno de 20 milhões), mas ela tem sido mantida sob controlo há meses em várias partes do mundo. A decisão da OMS em si era aguardada há semanas: vários funcionários da agência haviam previsto que essa decisão chegaria em Maio. Entre as datas a serem lembradas estão 23 de Janeiro de 2020, o dia em que o lockdown começou em Wuhan, depois 11 de Março daquele ano, quando a OMS declarou o status de pandemia. Depois, o ponto de virada, em 14 de Dezembro de 2020, com a aprovação da primeira vacina. Em 2021, graças à ciência, uma nova fase começa, levando a esta declaração.

 

Os precedentes

O termo “Emergência de Saúde Pública Internacional” é usado pela OMS para “um evento extraordinário que representa um risco de saúde pública para vários estados por meio da disseminação internacional de uma doença e que potencialmente exige uma resposta coordenada internacionalmente”. A declaração em si não é juridicamente vinculativa para os Estados, mas tem o objectivo de aumentar o nível de atenção e coordenação internacional. A organização declarou esse tipo de emergência em outras seis vezes: em 2009 com o surto de gripe H1N1, em Maio de 2014 para a poliomielite, em 2014 e 2019 para o Ebola e em 2016 para o vírus Zika. No verão de 2022, também o fez para a chamada varíola do macaco.

Fonte: Vatican News

You may also like

O Apostolado Angola - Ontem, Hoje, amanhã e Sempre - Informação Com Credibilidade

O Apostolado – Jornal da Actualidade da CEAST – Conferência Episcopal de Angola e São Tomé e Príncipe, é um site de notícias e representa o ponto de vista a CEAST com relação aos notícias local e internacional.

2023 –  Direitos Reservados. Jornal o Apostolado.  Developed by TIIBS, Lda – TIIBS, Lda – Technology Consultants

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Ler Mais

Política de Privacidade & Cookies