Sexta-feira, Abril 26, 2024

Foi criada a 9 de março, em Rabat, a Liga Africana das Escritoras. Representantes de Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau e Moçambique estiveram no ato constitutivo. Duas delas, Odete Semedo (da Guiné-Bissau) e Vera Duarte (de Cabo Verde) ilustraram, na emissão “África em Clave Cultural: personagens e eventos”, os propósitos da Liga: paz, cooperação sul-sul, promoção da arte literária produzida pelas africanas. Filinto Elísio fala, na sua crónica, de ideias e discursos no Congresso constitutivo.

Natural de Rabat, onde nasceu a 9 de março de 2023, tendo como mãe a pré-existente “Liga das Escritoras Marroquinas”, a “Liga das Escritoras da África” tem, na realidade, muitas outras mães: são as mais de 40 escritoras de todo o continente que se deslocaram à capital marroquina para o ato constitutivo da Liga continental.

Querem que seja, antes de mais, uma porta-bandeira da paz, desenvolvimento e integração em África, que promova as mulheres na literatura, que seja ousada, responsável, apaziguadora no processo de integração continental, fazendo da diversidade uma força e não um obstáculo à inclusividade.

É isto que sobressai das considerações de Odete Semedo e de Vera Duarte, segundo as quais “valeu a pena” deslocar-se a Marrocos e abraçar a causa da Liga a que deram à luz.

E se a sede será no Marrocos, em cada país membro haverá antenas. Tanto a Odete como a Vera já têm ideias claras sobre como dinamizar o organismo nos seus respetivos países, em conexão com o organismo central, que se espera, um dia, venha ser uma Liga de Escritoras e Escritores, sem distinção de género, mas de momento, há ainda muito caminho a andar para que eles e elas possam jogar em pé de igualdade, faz notar uma das intervenientes no “África em Clave Cultural: personagens e eventos”.

O dia 9 de março passará a ser o Dia da Escritora Africana – salienta, Filinto Elísio (da Rosa de Porcelana Editora) na sua crónica sobre esse importante evento marcado também por intervenções de encorajamento e valorização da parte do Ministro da Juventude, Cultura e Comunicação, do Diretor da Biblioteca Nacional Real de Marrocos, que anunciou algumas iniciativas na manga, ou ainda da própria Presidente da Liga das Escritoras do Marrocos, Badia Radi que recordou a necessidade de recursos para a consolidação da recém-criada Liga continental e da sua missão em matéria de desenvolvimento humano e cultural.

Fonte: Vatican News

You may also like

Deixa um Comentário

O Apostolado Angola - Ontem, Hoje, amanhã e Sempre - Informação Com Credibilidade

O Apostolado – Jornal da Actualidade da CEAST – Conferência Episcopal de Angola e São Tomé e Príncipe, é um site de notícias e representa o ponto de vista a CEAST com relação aos notícias local e internacional.

2023 –  Direitos Reservados. Jornal o Apostolado.  Developed by TIIBS, Lda – TIIBS, Lda – Technology Consultants

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Ler Mais

Política de Privacidade & Cookies