Quinta-feira, Abril 25, 2024

O Presidente da República, João Lourenço, reconheceu esta esta terça-feira, os feitos e o patriotismo dos angolanos, em geral, que se distinguiram na luta pela Independência Nacional, na defesa da soberania e na conquista e preservação da Paz e Reconciliação Nacional.

João Lourenço, que falava na cerimónia de condecoração de diversas personalidades que se destacaram no processo da Independência Nacional, Democracia e Reconciliação Nacional, no âmbito das comemorações do 21º Aniversário do Dia da Paz, afirmou que a Nação está eternamente grata aos cidadãos que tudo fizeram em prol de Angola e dos angolanos.

O Presidente da República lembrou que foi a 21 anos que se começou a construir juntos a paz e a reconciliação nacional entre todos os angolanos, independentemente do local de nascimento, confissão religiosa, convicções ideológicas ou filiação político-partidária de cada um.
“Já lá vão vinte e um anos de paz e reconciliação que nos vem proporcionar a estabilidade necessária para a reconstrução do país que estava em escombros e nos engajamos, com toda a dedicação, no desenvolvimento económico e social do país”, sublinhou.

João Lourenço, durante o seu discurso do Dia da Paz e da Reconciliação Nacional, falou das conquistas alcançadas em vários domínios, tendo destacado a dos Direitos e Garantias fundamentais dos cidadãos, da Economia e dos ganhos na Área Social. Em sua opinião, estas conquistas foram possíveis pelo facto do país e os angolanos, no geral, terem sabido preservar “este bem essencial”, que é a paz e reconciliação nacional, do qual todos dependem para poder prosperar.

Para o Presidente da República, esta paz é duradoura “porque custou-nos muitas lágrimas, suor e sangue vertidos ao longo de décadas e, por isso, nos comprometemos a tudo fazer para o país nunca mais voltar a viver as agruras de uma guerra ou mesmo de instabilidade política ou social que ponham em causa o futuro do nosso belo país”.

O Chefe de Estado disse que, apesar da paz e a reconciliação nacional terem sido conquistadas no dia 4 de Abril de 2002, devem ser construídas e preservadas nos trezentos e sessenta e cinco dias do ano, “todos os anos das nossas vidas, em cada gesto, em cada palavra, em cada atitude e comportamento do cidadão angolano”.

João Lourenço evocou a memória do Presidente José Eduardo dos Santos, o Arquiteto da Paz e da Reconciliação Nacional. Para o Presidente, José Eduardo dos Santos foi um estadista que soube interpretar a vontade do povo sobre a necessidade do abraço fraterno entre irmãos, do reencontro da grande família angolana.

Apelo à juventude

O Presidente da República lembrou que Abril é, não só o mês da Paz e da Reconciliação Nacional, como também o mês da juventude angolana. João Lourenço aproveitou a oportunidade para destacar a entrega dos jovens que serviram à pátria na defesa da soberania nacional e da integridade territorial.

“Foram os jovens que durante muitos anos viram as suas carreiras estudantil ou profissional, temporária ou definitivamente interrompidas, para servirem à pátria na defesa da soberania nacional e da integridade territorial”, disse.

A juventude, de acordo com o Chefe de Estado, com o alcance da paz, tem vindo a reconstruir as infra-estruturas do país, a construir as estradas, as diferentes indústrias, a erguer as centralidades, os hospitais, as universidades, as escolas, as barragens hidroelétricas, as centrais fotovoltaicas, os portos e aeroportos, as refinarias de petróleo, os projectos de combate à seca no Sul de Angola e tantos outros que geram emprego e garantem o desenvolvimento económico e social do país.

“No passado e no presente, a Juventude sempre foi uma força determinante para o desenvolvimento do nosso país, onde ela representa uma parte bastante expressiva da população angolana”, referiu.

O Presidente entende que se deve cuidar bem da juventude, transmitindo os valores do patriotismo, da ética, do civismo, do amor ao trabalho, da dedicação aos estudos e à leitura, da defesa do Ambiente e da Natureza, do respeito e protecção aos velhos, à criança e à mulher.
Para João Lourenço, é momento de cada partido político, líder partidário, igreja, instituição de ensino, ONG, e cada um particular se questionar sobre o contributo que tem dado para moldar a juventude dentro dos mais nobres valores da civilização e cultura.

Apelou à prática associada às boas causas, a políticas e programas que criam, educam e formam jovens que defendem e constroem a paz, a estabilidade e a ordem social, que preservam o património público e privado. “Aproveitemos ao máximo todo o potencial da nossa juventude, sua força interior, energia, vigor, inteligência, espírito inovador e empreendedor, para melhor servir o nosso país. Neste mês da juventude, felicito a todos os jovens angolanos, em Angola e na diáspora, pelo seu mês, por tudo quanto fizeram e fazem pelo bem de Angola e dos angolanos”, sustentou.

Na cerimónia de ontem, foram condecoradas diversas personalidades que se destacaram no processo da Independência Nacional, da Paz, Democracia e Reconciliação Nacional.

Várias figuras foram condecoradas e outras a título póstumo com a Ordem da Paz e Concórdia, Ordem de Mérito Civil, Ordem dos Combatentes da Liberdade, Ordem do Mérito Militar, Ordem do Mérito Policial, Ordem do Mérito Civil e Ordem da Independência.

Personalidades falam em reconhecimento justo
A vice-presidente do MPLA, Luísa Damião, destacou a importância do acto de condecoração das distintas personalidades, salientando que é um reconhecimento justo por tudo quanto fizeram pelo país e por isso devem continuar a consolidar a paz.

Luísa Damião defende que é preciso honrar todos aqueles que contribuíram para que o país pudesse estar a celebrar os 21 anos de paz.

“A melhor maneira de honrarmos estas pessoas é preservarmos este bem que é tão precioso e a condição indispensável para o desenvolvimento do nosso país”, disse.

A também deputada afirmou que a paz é outra grande conquista do país, depois da Independência e é através da paz que se pode continuar a caminhar na rota do desenvolvimento.

“Houve uma altura em que o país estava praticamente destruído e tivemos que reconstruir tudo, e é graça à paz que temos a circulação de pessoas e bens e penso que cada angolano deve continuar a ser promotor da paz e do desenvolvimento para continuarmos a realizar os anseios dos angolanos”, sustentou.

Isaías Samakuva

O ex-presidente da UNITA, Isaías Samakuva, que foi condecorado com a Ordem da Paz e Concórdia, do 1º grau, considerou a medalha um reconhecimento público daquilo que vários angolanos fizeram na contribuição da paz e desenvolvimento do país.

“Temos que construir a paz e esta construção deve acontecer todos os dias e por cada um de nós”, disse.

Para o político, é preciso que se criem condições reais para que a paz não seja apenas o calar das armas. “Conseguimos a paz militar e agora temos que continuar a construir a paz civil, de tal forma que as pessoas consigam ter o que precisam comer, ter estudos e emprego”, referiu.

Abel Chivukuvuku

O político Abel Chivukuvuku, que também recebeu a medalha da Ordem da Paz e Concórdia, do 1º grau, elogiou o gesto do Presidente da República, mas sublinhou que é preciso dar mais passos para se ter um país com mais inclusão e diálogo.

“Temos todos que contribuir para um país positivo, verdadeiramente democrático e com um Estado de Direito bem afirmado”, defendeu.

D. Filimeno V. Dias

O arcebispo de Luanda, D. Filomeno Vieira Dias, reconheceu que o país está a dar os primeiros passos na construção da Nação com uma outra atmosfera e espírito e com uma outra atitude perante a cidadania e a própria nação e do desafio de juntos construirmos o país.

“Está-se a conseguir fortalecer, cada vez mais, o espírito de uma nação unida e plural e a capacidade de fazer-se o exercício do diálogo entre todas as forças vivas do país, quer as cívicas, sociais, políticas ou partidárias”, disse. Apelou à cada um dos angolanos a dar o melhor de si “para que possamos deixar os alicerces para uma Angola mais forte, solidária e desenvolvida.

Quanto à juventude, o bispo pediu para ter forças e não desistir das suas ideias.

Luísa Rogério

A presidente da Carteira de Ética, Luísa Rogério, que também fez parte do grupo de personalidades do país que foram condecoradas, disse que independentemente das diferenças, todos os angolanos têm a obrigação de se sentirem responsáveis para preservar, consolidar a paz e construir cidadania. O exemplo, segundo a jornalista Maria Luísa Rogério, foi demonstrado na cerimónia de ontem que reuniu angolanos de vários extratos sociais, partidos políticos e religiosos que foram homenageados na cerimónia de Estado.

Ao destacar as diferentes coberturas jornalísticas feitas por si no período da guerra e no processo de paz, afirmou que os jornalistas têm o dever de cada, ao seu nível, contribuir e como poder construir a cidadania.

“É uma sensação indescritível. Sinto-me honrada e valorizada, em termos de reconhecimento, este é o maior. Hoje é um dia que ficará marcado para sempre na minha vida. Não existe Luísa Rogério sem o jornalismo, não existem jornalistas sem o Jornalismo”, afirmou.

Fonte: Jornal de Angola

You may also like

Deixa um Comentário

O Apostolado Angola - Ontem, Hoje, amanhã e Sempre - Informação Com Credibilidade

O Apostolado – Jornal da Actualidade da CEAST – Conferência Episcopal de Angola e São Tomé e Príncipe, é um site de notícias e representa o ponto de vista a CEAST com relação aos notícias local e internacional.

2023 –  Direitos Reservados. Jornal o Apostolado.  Developed by TIIBS, Lda – TIIBS, Lda – Technology Consultants

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Ler Mais

Política de Privacidade & Cookies