Quarta-feira, Fevereiro 21, 2024

Empresas de comunicação devem ser espaços de realização social e profissional

Por: apostolado
0 comentário

O secretário-geral do Sindicato dos Jornalistas Angolanos (SJA), Teixeira Cândido, defendeu, terça-feira, em Luanda, a necessidade de as empresas de Comunicação Social públicas e privadas serem, também, espaços de realização social e profissional.

Teixeira Cândido fez estas declarações à margem do acto que marcou o 31º aniversário do SJA. Durante o acto, considerou ainda essencial desafiar os gestores das empresas de Comunicação Social a criarem um ambiente de trabalho salutar, no qual cada profissional tenham a oportunidade de vislumbrar um futuro melhor, sem que, necessariamente, deixe de ser jornalista.
Na visão do sindicalista, os gestores têm de respeitar a questão da progressão na carreira, porque o sindicato não pode estar a revindicar sempre. “Os profissionais devem ser avaliados periodicamente para progredirem e subir para o nível seguinte, a fim de verem o salário melhorado”, disse.

Segundo Teixeira Cândido, os jornalistas não podem continuar a depender da mudança de gestão ou nomeações a cargos de chefia para ganharem um bom salário “É importante que todos os jornalistas tenham uma condição social aceitável, para não se vergarem as ofertas das fontes e aos assédios a que permanentemente estão sujeitos”.

Em relação à Lei de Im-prensa, Teixeira Cândido disse que o SJA tem se posicionado como defensor da liberdade de imprensa, há 31 anos, para que os jornalistas exerçam melhor a profissão, sem medo de censuras.

O SJA, acrescentou, defende a revisão da Lei de Im-prensa e a deslocação de alguns poderes que estão na esfera do Governo para a da Entidade Reguladora da Comunicação Social.
“Outra questão é olharmos para o futuro, porque, segundo a União Africana, a actividade jornalística não pode ser criminalizada, como prende-los pelo exercício da profissão, antes deviam ser responsabilizados civilmente, como pagar multas”, concluiu.

Desafios da media

O jornalista Nok Nogueira, um dos prelectores do debate que visou assinalar o 31º aniversário do SJA, disse que os grandes desafios da media digital passam pela ciber segurança, porque, nos últimos anos, tem havido um conjunto de ações que visam atacar a imprensa privada e digital.
Nelson Sul, outro prelector, defendeu que os jornalistas tenham maior sentido de responsabilidade e primem sempre pela ética e deontologia profissional. “Tal como não gostaríamos que alguém dissesse inverdades, é preciso que, cada um, se coloque na posição de todos os injuriados. É também uma forma de evitar processos nos tribunais”, referiu.

O prelector apelou, ainda, ao Executivo mais espaço às iniciativas privadas no sector da Comunicação Social.

Fonte: JA

You may also like

Deixa um Comentário

O Apostolado Angola - Ontem, Hoje, amanhã e Sempre - Informação Com Credibilidade

O Apostolado – Jornal da Actualidade da CEAST – Conferência Episcopal de Angola e São Tomé e Príncipe, é um site de notícias e representa o ponto de vista a CEAST com relação aos notícias local e internacional.

2023 –  Direitos Reservados. Jornal o Apostolado.  Developed by TIIBS, Lda – TIIBS, Lda – Technology Consultants

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Ler Mais

Política de Privacidade & Cookies