Quarta-feira, Abril 24, 2024

 

Voltei a Assis. Volto sempre que posso, pois a cidade de S. Francisco e S. Clara é inspiradora, ali se respira uma ecologia integral que injeta novos ares nos pulmões e carrega todas as baterias da Espiritualidade e da fraternidade universal.

 

Claro que só regresso a Assis quando tenho pretextos sérios. Desta vez, o ‘empurrão’ foi dado pelos meus 20 confrades Espiritanos que, no decurso do ano passado, foram eleitos ou nomeados Superiores Maiores das Circunscrições onde vivem e trabalham. Vieram dos quatro cantos do planeta. Liderar e animar tornaram-se as dimensões mais desafiantes e exigentes da sua Missão hoje. E, por isso, viajaram até a Roma para um encontro de formação sobre liderança, mas também para uma injeção de Espiritualidade e de Fraternidade, como família missionária que somos.

 

‘Peregrinar’ a Assis tornou-se ponto intocável do programa deste Encontro Anual e, por mais vezes que eu suba àquela colina santa, venho sempre de lá mais fortalecido na vontade de anunciar e viver o Evangelho de Cristo, com a radicalidade, alegria, fé e fraternidade que marcaram os compromissos missionários de São Francisco e Santa Clara.

 

O autocarro parecia carregar o mundo inteiro, tal a diversidade de rostos e a musicalidade plural das línguas que lá dentro se escutavam. Duas horas de viagem passaram em poucos minutos, assim pareceu a todos quando fomos convidados a olhar em frente ver a bela Assis a trepar pelo monte.

 

Momentos altos desta Peregrinação foram a Missa celebrada numa das Capelas do Convento de S. Francisco e a visita guiada à Basílica. Quem nos acompanhou foi um jovem franciscano do Quénia que, com muita sabedoria e comoção, nos foi explicando as pinturas mais importantes que enchem de cultura e fé as paredes e os tectos. Paramos para ver com os nossos olhos aquela que foi a primeira Regra de Vida Franciscana, escrita pelo fundador em 1323, ou seja, há precisamente 800 anos!  Terminamos na cripta onde está o túmulo do Santo, onde cantamos – a cortar um silêncio profundo – um Salve Regina emocionado.

 

Regressamos a Roma mais inspirados e fortalecidos por esta onda de fé, fraternidade e ecologia integral que tem de marcar as vidas e missões de todos.

Quinze dias depois de Assis, ‘peregrinei’ a Spoleto, cidade Património da Humanidade. A companhia e os objetivos eram diferentes: fui com o Conselho Geral dos Espiritanos para uma semana de Retiro Espiritual. Esta antiquíssima cidade italiana, situada a cerca de 130 kms de Roma e a 45 de Assis, tornou-se ainda mais famosa porque, naquele longínquo século XIII, foi palco de uma das canonizações mais rápidas da História da Igreja: o franciscano António foi elevado aos altares pelo Papa Gregório IX, a 30 de maio de 1232. Recordemo-nos que o António de Lisboa e Pádua tinha falecido nesta cidade do norte de Itália a 13 de junho do ano anterior! A Catedral de Spoleto vive o Jubileu dos 825 anos da sua dedicação.

You may also like

O Apostolado Angola - Ontem, Hoje, amanhã e Sempre - Informação Com Credibilidade

O Apostolado – Jornal da Actualidade da CEAST – Conferência Episcopal de Angola e São Tomé e Príncipe, é um site de notícias e representa o ponto de vista a CEAST com relação aos notícias local e internacional.

2023 –  Direitos Reservados. Jornal o Apostolado.  Developed by TIIBS, Lda – TIIBS, Lda – Technology Consultants

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Ler Mais

Política de Privacidade & Cookies