Quarta-feira, Abril 24, 2024

CONSERVAÇÃO DE CAMPAS E JAZIGOS É TRADIÇÃO DO DIA DOS FINADOS.

Falta de manutenção

Por: apostolado
0 comentário

A lembrança da dimensão da vida humana é uma prática comum hoje, data que se celebra o Dia dos Finados. Nesta época, as campas e jazigos se tornam símbolos de quem os entes queridos foram. Porém, actualmente muitos destes espaços em Luanda têm sido vandalizados.
O Cemitério do Alto das Cruzes é um dos mais antigos da cidade capital e conta com mais de 100 jazigos e milhares de campas, a maioria em bom estado de conservação, pertencentes a famílias angolanas e portuguesas e de outras nacionalidades. Existentes há mais de 300 anos, e estão bem conservados.
As campas e jazigos, feitos de mármore e granito, são reparados pelos coveiros. No Alto das Cruzes estes espaços são limpos a cada seis meses. Na entrada do cemitério é possível ver caixões cobertos com lençóis brancos em alguns jazigos de família, com três a quatro membros sepultados no mesmo lugar.

Actualmente, o “campo santo” do Alto das Cruzes recebe pessoas de todas as partes do país e do estrangeiro que vêm fazer visitas, para reabilitar e limpar os lugares dos antepassados. A maioria das famílias proprietárias têm paciência de manter o espaço bem organizado, com o apoio dos funcionários que reparam, muitas vezes, campas desabadas e jazigos com fissuras.

Rosa Ferreira Baptista, de 68 anos, disse que a família tem um jazigo e duas campas desde o tempo colonial. “Tenho enterrado neste lugar alguns parentes directos”, disse, além de explicar que tem dois irmãos a cuidarem do espaço.

Falta de manutenção

No Cemitério da Mulemba, vulgo 14, o cenário é diferente. Várias campas estão em mau estado de conservação, por falta de manutenção pelos familiares. Os trabalhadores dizem não saber que tratamento a dar, por não terem contactos com os proprietários. Neste “campo santo”, apenas dois jazigos estão bem conservados. O chefe da manutenção e património do cemitério, Zeferino Firmino, disse que a danificação das campas é devido à ignorância de certas famílias, que só dão o devido tratamento às campas dos entes queridos nos primeiros meses depois do sepultamento.

“Algumas famílias depois do enterro já não visitam as campas. Muitas vezes temos de ser nós a dar o devido tratamento a algumas. Mas com a supervisão dos proprietários seria melhor. Estas pessoas usam uma campa provisória e pensam que depois da montagem não é responsabilidade delas cuidarem do local”, explicou.

Homenagem aos familiares

O ministro da Energia e Águas, João Baptista Borges, esteve, na manhã de ontem, no Cemitério do Alto das Cruzes, em Luanda, para prestar homenagem aos entes queridos. Na ocasião, o ministro considerou o Dia dos Finados como a data ideal para fazer referência aos momentos vividos ao lado dos antepassados e todos que já morreram. “Todos lembramos de quem já partiu. Neste dia, a lembrança de algum parente próximo nos vem sempre à memória, em especial as lembranças dos momentos vividos juntos”.

You may also like

O Apostolado Angola - Ontem, Hoje, amanhã e Sempre - Informação Com Credibilidade

O Apostolado – Jornal da Actualidade da CEAST – Conferência Episcopal de Angola e São Tomé e Príncipe, é um site de notícias e representa o ponto de vista a CEAST com relação aos notícias local e internacional.

2023 –  Direitos Reservados. Jornal o Apostolado.  Developed by TIIBS, Lda – TIIBS, Lda – Technology Consultants

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Ler Mais

Política de Privacidade & Cookies