Quinta-feira, Abril 25, 2024

AS VIDAS E MORTES DE CHIVUKUVUKU, POR AGUALUSA

Contam-se vários episódios em que Abel saiu vivo por “milagre”,

Por: apostolado
0 comentário

Todos os livros de Agualusa têm uma escrita escorreita, fluida, que envolve o leitor. Este livro sobre Abel Chivukuvuku não foge à regra. Trata-se de uma narrativa informativa estruturada de forma romanesca, que apresenta um retrato hiperbólico da personagem principal.

 

A imagem que apresenta de Chivukuvuku é a de “grande homem” angolano. Descreve as suas origens no Bailundo, enfatizando a sua ascendência aristocrática, designadamente a sua linhagem, que traça até ao rei Ekuikui II, talvez a parte do livro em que as qualidades literárias de Agualusa mais se denotam.

 

Chivukuvuku é retratado como pertencendo a um tipo de pessoas “afáveis e cultas, com um vasto conhecimento do mundo, e tão à vontade nos grandes salões de Londres, Washington ou Nova Iorque, quanto nos mais desvalidos musseques da capital” (p. 154).

 

A sua vida é descrita desde a influência das missões protestantes, a frequência da escola pública, a adesão à UNITA, feita, essencialmente, “não por razões ideológicas, mas de parentesco – praticamente toda a sua família simpatizava com o movimento do Galo Negro, e alguns eram altos dirigentes do mesmo” (p. 57).

 

Dentro da UNITA são contados os seus papéis principais, como militar, como oficial de inteligência, como negociador com o MPLA, mas o que ressalta é a constante disputa com Jonas Savimbi. São descritos variados episódios de desentendimento ou desconfiança entre Jonas Savimbi e Abel Chivukuvuku. Aqui é uma narrativa quase jornalística.

 

Contam-se vários episódios em que Abel saiu vivo por “milagre”, tentando-se construir uma narrativa em que ele aparece quase como um “predestinado”, alguém escolhido por Deus ou algo semelhante (p. 102, por exemplo).

 

Curiosamente, Jonas Savimbi sai muito mal da história. É apresentado como “um homem perigoso, mentalmente instável e ideologicamente pouco confiável” (p. 152). Savimbi é retratado como alguém perigoso quando alcoolizado (p. 207 e ss).

 

Aliás, na narrativa de Agualusa fica claro que Jonas Savimbi procurou deliberadamente o apoio da África do Sul do apartheid, tendo tomado a iniciativa de contactar as forças sul-africanas (p. 77 e ss). Também é afirmada a responsabilidade de Jonas Savimbi e de quadros da UNITA na morte pela fogueira de 19 mulheres e 2 crianças (p. 130 e ss), bem como os assassinatos de Tito Chingunji e Wilson dos Santos (p. 150).

 

Obviamente, como pano de fundo, surge sempre o MPLA como o inimigo, mas de forma matizada. É muito enfatizada a amizade de Abel Chivukuvuku com Nandó (p. 148).

 

Finalmente, é de referir aquele o veredicto acerca da actual política da UNITA de permanente contestação ao resultado eleitoral de Agosto de 2022. Escreve Agualusa: “O movimento do Galo Negro contesta os resultados oficiais. Contudo, nem a UNITA nem nenhum outro organismo ou instituição consegue demonstrar a existência de fraude em larga escala.”(p. 246)

 

E sobre o futuro de Abel: “A história de Abel Chivukuvuku não termina aqui. Como tantas outras vezes, está apenas a recomeçar.” (p. 246)

 

De alguma forma, o livro surpreende, não pela crítica ao MPLA, que era esperada, mas pelo retrato desapaixonado, mesmo desconcertante, de Jonas Savimbi e da UNITA, em contraste com o ardoroso fulgor de Chivukuvuku.

 

Detectámos dois lapsos, a corrigir em próximas edições: na página 81, o presidente americano Gerald Ford é chamado Henry Ford; na página 172 diz-se que Herman Cohen era secretário de Estado dos EUA, quando nunca o foi (a sua função mais elevada no governo foi a de secretário de Estado-adjunto para os Assuntos Africanos (1989-1993)).

 

O novo livro de Agualusa é de leitura extremamente aconselhável para quem quer perceber melhor a história contemporânea angolana, especialmente nas suas ambiguidades.

 

* Edição: José Eduardo Agualusa, Vidas e Mortes de Abel Chivukuvuku: Uma biografia de Angola, Lisboa, Quetzal (250 páginas).

Fonte: MAKA ANGOLA

You may also like

O Apostolado Angola - Ontem, Hoje, amanhã e Sempre - Informação Com Credibilidade

O Apostolado – Jornal da Actualidade da CEAST – Conferência Episcopal de Angola e São Tomé e Príncipe, é um site de notícias e representa o ponto de vista a CEAST com relação aos notícias local e internacional.

2023 –  Direitos Reservados. Jornal o Apostolado.  Developed by TIIBS, Lda – TIIBS, Lda – Technology Consultants

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Ler Mais

Política de Privacidade & Cookies