Domingo, Dezembro 10, 2023

ANGOLA MANIFESTA PREOCUPAÇÃO COM A VIOLÊNCIA NO MÉDIO ORIENTE

Diplomata reitera o apelo do país ao fim do embargo contra Cuba

Por: apostolado
0 comentário

O aumento exponencial da violência que se regista no Médio Oriente, desde o ataque a 7 de Outubro último, preocupa, profundamente, o Estado angolano, soube o Jornal de Angola da Missão Permanente de Angola junto das Nações Unidas.
O posicionamento foi manifestado pelo representante permanente do país em Nova Iorque, embaixador Francisco José da Cruz, durante a intervenção na 10ª Sessão Especial de Emergência da Assembleia Geral das Nações Unidas, decorrida sob o tema: “Acções ilegais israelitas em Jerusalém Oriental ocupada e no resto do Território Palestiniano Ocupado”.
Segundo um comunicado da Missão Permanente de Angola junto das Nações Unidas, em Nova Iorque, o diplomata afirmou que o país condena o terrorismo em todas as suas formas e manifestações, independentemente das suas motivações ou intervenientes, realçando que o conflito no Médio Oriente piora a cada dia o sofrimento humano e ceifa a vida de civis inocentes, incluindo mulheres e crianças.

O embaixador fez saber, ainda, que o país se manifesta também alarmado com a probabilidade da crise de Gaza transformar-se num conflito regional, com implicações perigosas para a paz e a estabilidade internacionais. O diplomata defendeu que a comunidade internacional deve mitigar esses riscos, instando todas as partes a exercerem contenção, acalmarem a escalada e respeitarem as normas do Direito Internacional. “A única forma viável de alcançar uma paz duradoura é através do diálogo e da resolução pacífica de litígios”, sugeriu.

Francisco José da Cruz ressaltou, na mesma nota, ter sido neste contexto que o país apoiou a Resolução da Assembleia Geral da ONU, aprovada no dia 27 de Outubro último, que, entre outras recomendações, apela a uma trégua humanitária imediata, duradoura e sustentável que conduza à cessação das hostilidades e à libertação imediata e incondicional de todos os reféns civis.

A referida resolução, esclareceu, exige ainda o fornecimento imediato, contínuo, suficiente e sem entraves de bens e serviços essenciais aos civis através da Faixa de Gaza, ao abrigo do Direito Humanitário Internacional, reafirmando que uma solução justa e duradoura para o conflito israelo- palestiniano só pode ser alcançada por meios pacíficos, com base nas resoluções pertinentes das Nações Unidas e em conformidade com o Direito Internacional, e com base na solução de dois Estados.

Durante a intervenção, o diplomata enalteceu o trabalho humanitário realizado pelo pessoal da ONU em condições muito difíceis e desafiantes para salvar vidas, o que demonstra o seu compromisso inabalável com os valores da dignidade humana e da solidariedade internacional.

O representante permanente de Angola junto das Nações Unidas referiu, igualmente, que os actuais desafios de paz e segurança no Médio Oriente demonstram a urgência de dar prioridade à busca de uma solução justa e sustentável, baseada na aplicação das resoluções relevantes das Nações Unidas e do Direito Internacional, com o objectivo de alcançar os dois Estados – Israel e Palestina – vivendo lado a lado em paz e segurança, dentro de fronteiras internacionalmente reconhecidas.

As Nações Unidas, disse, continuam a ser a nossa melhor esperança e a última fronteira para a pacificação e a manutenção da paz, para prevenir conflitos e resolver disputas internacionais, tendo ressaltado que esses desafios reforçam a convicção de Angola sobre a necessidade urgente de reforma do Sistema das Nações Unidas, especialmente o Conselho de Segurança, para torná-lo eficaz, representativo e inclusivo, e capaz de fortalecer o multilateralismo, como forma de lidar com ameaças comuns e interligadas para preservar a paz e a segurança mundiais.

Diplomata reitera o apelo do país ao fim do embargo contra Cuba

O representante permanente de Angola junto das Nações Unidas, embaixador Francisco José da Cruz, reiterou, quarta-feira última, na sede da ONU, em Nova Iorque, o apelo de Angola ao fim do embargo económico, comercial e financeiro, bem como das medidas unilaterais e coercivas impostas pelos EUA contra Cuba.

O diplomata angolano, de acordo com uma nota enviada ao Jornal de Angola, referiu que essas medidas ameaçam e violam os direitos humanos fundamentais, incluindo o direito à autodeterminação, impedem o alcance de um nível de vida adequado, tendo em conta as actuais crises económicas e alimentares globais que exigem uma abordagem multilateral e solidariedade internacional.

Francisco José da Cruz, que falava na reunião plenária da Assembleia Geral das Nações Unidas, sobre a “Necessidade de Acabar com o Embargo Económico, Comercial e Financeiro Imposto pelos Estados Unidos da América Contra Cuba”, considerou o referido embargo uma das questões diplomáticas mais candentes nos dias de hoje, devido a sua prevalência há décadas, contrariando os princípios e propósitos da Carta das Nações Unidas, o Direito Internacional e os direitos humanos”.

O facto, segundo o diplomata, é evidenciado pelos sucessivos debates em vários fóruns internacionais, incluindo nas Nações Unidas, onde repetidamente os Estados-membros votaram esmagadoramente a favor do seu fim imediato e incondicional.

“Há mais de 60 anos que Cuba sofre os efeitos e consequências desta situação, que penaliza a população cubana, ao impedir a implementação de programas sociais e económicos e a integração do país no Sistema de Comércio Internacional”, disse. Cuba, prosseguiu, continua a enfrentar grandes desafios económicos e sociais devido a restrições às importações, condições e barreiras discriminatórias e medidas impostas não compatíveis com o sistema comercial multilateral, bem como o bloqueio ao financiamento e aos seus efeitos na aplicação extraterritorial em terceiros mercados.

Nestas circunstâncias, acrescentou, o país tem acesso limitado à aquisição de equipamentos, tecnologia e produtos farmacêuticos adequados, tendo que recorrer a intermediários, a preços exorbitantes e de qualidade inferior, para responder às necessidades da população.

“O embargo contra Cuba está a impedir o país de alcançar os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), relegando o país para trás no nosso esforço colectivo de melhoria das condições sociais, económicas e ambientais da humanidade”, reforçou.

Francisco José da Cruz reafirmou, ainda, o compromisso de Angola em continuar a apoiar todas as iniciativas e resoluções relevantes das Nações Unidas para pôr fim a este embargo a Cuba, com base no respeito e no cumprimento dos propósitos e princípios consagrados na Carta das Nações Unidas e nas obrigações dos Estados sob lei internacional.

O representante permanente de Angola na ONU realçou, ainda, que Angola incentiva os Estados Unidos e Cuba a redobrarem os seus esforços diplomáticos, engajando-se num diálogo construtivo e transparente, a fim de alcançar um entendimento político abrangente e duradouro para promover uma cooperação bilateral mutuamente benéfica.

You may also like

O Apostolado Angola - Ontem, Hoje, amanhã e Sempre - Informação Com Credibilidade

O Apostolado – Jornal da Actualidade da CEAST – Conferência Episcopal de Angola e São Tomé e Príncipe, é um site de notícias e representa o ponto de vista a CEAST com relação aos notícias local e internacional.

2023 –  Direitos Reservados. Jornal o Apostolado.  Developed by TIIBS, Lda – TIIBS, Lda – Technology Consultants

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Ler Mais

Política de Privacidade & Cookies