Quinta-feira, Abril 25, 2024

HOSPITAL DOS CAJUEIROS: CIDADÃ DE 65 ANOS MORRE POR NEGLIGÊNCIA MÉDICA DEPOIS DE O DIRECTOR-GERAL SER ALERTADO PELO NA MIRA DO CRIME

Uma cidadã que em vida atendia pelo nome Sara Jaime de Carvalho, de 65 anos de idade, moradora da rua da Emissora, município do Cazenga, morreu na manhã deste domingo, 25, por volta das 5 horas, no hospital dos Cajueiros, depois de 48 horas a espera de atendimento, mesmo depois de o Na Mira do Crime alertar o director-geral do hospital, Daniel Café, do abandono em que a paciente estava submetida.

Por: apostolado
0 comentário

De acordo com as filhas Teresa Graciano de Carvalho, e Lucrécia de Carvalho que falaram em exclusivo ao Na Mira do Crime, a malograda sofria de uma inflamação na barriga, e na sexta-feira, por volta das 12 horas, deu entrada no hospital dos Cajueiros por onde ficou até na manhã deste domingo, dia da sua morte, sem atendimento médico.

De acordo com as filhas de Sara, tão logo deram entrada ao Hospital, a mãe gemia de dores, e elas exigiam aos médicos que fizessem pelo menos uma intervenção para que minimizasse as dores da progenitora.

“Uma doutora acalmou-nos e disse que faria primeiro ecografia para saber o tipo da patologia e só depois seguiria a medição”, disse, acrescentando que, até às 18 horas do mesmo dia, ninguém tocou na paciente.

“Elas não mexiam sequer na minha mãe, no sábado, pensamos que teriam alguma iniciativa e alguém teria pena da minha mãe, mas continuou abandalhada”, lamentou, acrescentando que, no período da tarde, a família recebeu ordem de uma enfermeira para que fossem fazer ecografia fora do hospital, por alegadamente faltar do doutor na referida área.

“Ontem de tarde uma enfermeira disse que o doutor só chegaria na segunda-feira, e mandaram- nos fazer ecografia fora, e mesmo sem pegarem na minha mãe, queriam nos dar alta”, recordou, realçando que, tão logo tentaram levar a mãe para um centro fora do hospital, a situação agravou-se e tiveram de regressar rapidamente para avisar as enfermeiras.

No interior do hospital, contam, a senhora recebeu um balão de soro. “Foi o único momento que eles e nós tivemos contacto com a minha mãe, até na manhã deste domingo, 25, anunciarem a morte da nossa queria mãe”, choraram.

Segundo as queixosas, durante o tempo que a paciente esteve ‘atirada’ naquela unidade hospitalar, a senhora nunca teve cama uma cama para estar acomodada. “Ela morreu numa cadeira de roda”.

Na tarde de ontem, sábado, 24, a família contactou o Na Mira do Crime para denunciar o mau atendimento da equipa clínica do Hospital dos Cajueiros. Este jornal ligou várias vezes para o director da referida unidade hospitalar para dar a conhecer a situação, no entanto, não fomos atendidos nem tidos em conta. Reencaminhamos uma mensagem no Whatsapp do director mostrando o descontentamento da família, mas este depois de visualizar ignorou e voltou a não responder a nossa preocupação.

Nesta ordem de ideia, a família da malograda pede a ministra da Saúde haja em conformidade, porque a vida de cidadãos angolanos não pode estar em mãos de pessoas que não têm consideração nem amor pelo que fazem.

You may also like

O Apostolado Angola - Ontem, Hoje, amanhã e Sempre - Informação Com Credibilidade

O Apostolado – Jornal da Actualidade da CEAST – Conferência Episcopal de Angola e São Tomé e Príncipe, é um site de notícias e representa o ponto de vista a CEAST com relação aos notícias local e internacional.

2023 –  Direitos Reservados. Jornal o Apostolado.  Developed by TIIBS, Lda – TIIBS, Lda – Technology Consultants

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Ler Mais

Política de Privacidade & Cookies