Quinta-feira, Abril 25, 2024

NOVOS VICE – GOVERNADORES EXORTADOS A AUXILIAR NA DIVERSIFICAÇÃO DA ECONOMIA

Para tal, o Chefe de Estado defendeu a necessidade de se continuar a fazer um esforço organizado.

Por: apostolado
0 comentário

O Presidente da República, João Lourenço, exortou, segunda-feira, os novos vice-governadores das províncias de Luanda, Malanje e Namibe, nomeadamente, Jorge Miguêns Augusto, Franco Mufinda e Abel do Rosário Kapitango, a auxiliarem os governadores no processo de diversificação da economia e do desenvolvimento sócioeconómico do país.
O Presidente da República lançou o repto aos novos auxiliares de Manuel Homem, Marcos Nhunga e Archer Mangueira durante o momento em que os empossava nas funções, numa cerimónia realizada no Palácio Presidencial, que contou com a presença da Vice-Presidente da República, Esperança da Costa, de vários membros do Executivo e do seu Gabinete.

“Os votos que eu faço é que ajudem os senhores governadores a cumprirem com esta grande responsabilidade, que é de todos nós”, destacou o Titular do Poder Executivo, lembrando que o combate, hoje, já não é, “felizmente”, contra a pandemia da Covid-19, mas pela conquista destes dois desideratos. “Aproveito a ocasião para fazer votos de que tenham muitos sucessos no desempenho das novas funções que passam a exercer a partir da data de hoje”, concluiu João Lourenço.

Jorge Miguêns Augusto, Franco Mufinda e Abel do Rosário Kapitango foram nomeados pelo Presidente da República na quarta-feira (25 deste mês), em substituição de Gilson dos Santos Antunes Carmelino, Domingos Manuel Eduardo e Anica Josina Pascoal de Sousa, para os cargos de vice-governador para o Sector Económico e para o Sector Político, Social e Económico, este último exercido apenas por Franco Mufinda e Abel do Rosário Kapitango.

No discurso feito por ocasião da 5ª edição da Expo Indústria, realizada em Março deste ano, em Luanda, sob a égide do Ministério da Indústria e Comércio, o Presidente da República referiu que o alcance dos objectivos de crescimento e diversificação da economia, melhoria dos níveis de emprego, do progresso e bem-estar social dos cidadãos passa pelo desenvolvimento sustentável da Indústria Nacional.

O Chefe de Estado ressaltou, naquela ocasião, que, apesar dos constrangimentos provocados pela pandemia da Covid-19, a nível mundial, a indústria transformadora nacional mostra-se “bastante resiliente”. A título de exemplo, disse que o Instituto Nacional de Estatística (INE) destaca a variação positiva da produção no ramo alimentar, com realce para a moagem de cereais e fabricação de amidos e féculas, produção de bebidas e processamento de tabaco.

O Titular do Poder Executivo referiu que a taxa de crescimento do PIB real para a indústria transformadora registou, de 2018 a 2022, um acumulado de 7,7 por cento, com destaque para 2022, em que se notou um crescimento de 6 por cento, superando a projecção prevista no Orçamento Geral do Estado para aquele ano.

Neste mesmo período, prosseguiu o Chefe de Estado, foram aprovados e implementados, no âmbito do investimento privado, mais de duzentos novos empreendimentos de grande impacto no domínio da Indústria Transformadora, distribuídos pelas províncias e nos mais variados subsectores de actividade, contribuindo com mais de dez mil postos de trabalho, com maior foco para o sector da Alimentação – uma aposta do Executivo no aumento da produção industrial, com vista ao garante da auto-suficiência em bens essenciais de consumo.

De modo a manter este ritmo, o Presidente da República, João Lourenço, disse ser necessário continuar a estimular e a impulsionar o aumento da produção nacional, para reduzir os preços, as importações, aumentando as exportações e fazer face à competitividade decorrente da adesão do país aos protocolos da Zona Livre da SADC, à Zona de Comércio Livre Continental Africana e à Zona de Comércio Livre Tripartida.

Para tal, o Chefe de Estado defendeu a necessidade de se continuar a fazer um esforço organizado, sistemático e persistente, a fim de atrair o investimento privado nacional e estrangeiro, para que o país esteja na rota certa de nível de industrialização estabelecido pela SADC, fixando o olhar, sobretudo, para a Zona de Comércio Livre Continental.

O Presidente da República admitiu, no entanto, não ser uma tarefa fácil, na medida em que a concorrência entre os países para atrair investimento directo estrangeiro é “bastante forte”. “Mas, como acreditamos que é possível e necessário caminharmos juntos, com o investimento privado, vamos industrializar o país”, assegurou João Lourenço, tendo acrescentado que outro dos objectivos a serem alcançados, com recurso ao investimento público ou público-privado, passa pelo aumento e melhoria da rede de estradas, da oferta de água e de energia eléctrica, para a electrificação do país.

 

You may also like

O Apostolado Angola - Ontem, Hoje, amanhã e Sempre - Informação Com Credibilidade

O Apostolado – Jornal da Actualidade da CEAST – Conferência Episcopal de Angola e São Tomé e Príncipe, é um site de notícias e representa o ponto de vista a CEAST com relação aos notícias local e internacional.

2023 –  Direitos Reservados. Jornal o Apostolado.  Developed by TIIBS, Lda – TIIBS, Lda – Technology Consultants

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Ler Mais

Política de Privacidade & Cookies