Quinta-feira, Junho 13, 2024

DESTACADA A IMPORTÂNCIA DA CULTURA DE DENÚNCIA DE CASOS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA NAS COMUNIDADES

Constituem ainda formas de violência contra a mulher a realização forçada de um casamento tradicional, agressão mental e física pelo companheiro e assédio.

Por: apostolado
0 comentário

A juíza-conselheira presidente do Tribunal Constitucional, Laurinda Cardoso, destacou, segunda-feira, em Luanda, a importância de se trabalhar, cada vez mais, no aumento da cultura de denúncia dos casos de violência contra as mulheres e raparigas, para que os responsáveis sejam julgados e condenados.

Laurinda Cardoso, que falava na abertura da VI conferência sobre a mulher e a violência baseada no género, promovida pelo Ministério da Acção Social, Família e Promoção da Mulher, disse que um dos grandes instrumentos para o combate à violência é apostar na educação e criar condições materiais, financeiras, económicas e sociais.

Este mal, continuou, inibe o empoderamento da mulher a todos os níveis, limitando a sua capacidade de agir e de escolha, reforçando as desigualdades entre homens e mulheres, em clara violação dos direitos, liberdades e garantias fundamentais.

 

Segundo a juíza-conselheira presidente do Tribunal Constitucional, atendendo aos instrumentos Internacionais ractificados por Angola e os tipos de violência mais frequentes no país, a prevenção passa, ainda, pela adopção de medidas legislativas adequadas, com sanções devidamente definidas, proibindo todas as formas de discriminação contra a mulher; assegurar o seu desenvolvimento e progresso, bem como garantindo-lhes o exercício e a satisfação dos direitos e liberdades fundamentais, numa base de igualdade com os homens.

 

Acrescentou que é necessário, igualmente, garantir a educação da família, incluindo a compreensão correcta da maternidade como função social e responsabilidade do casal na educação dos filhos; aprovar políticas adequadas para reprimir todas as formas de tráfico de mulheres, exploração e prostituição, eliminar preconceitos, costumes e práticas baseadas na ideia de superioridade do homem sobre a mulher, pois, “não são dignos de força jurídica, porque atentam contra a Constituição da República de Angola e a dignidade da pessoa humana”.

 

Laurinda Cardoso defendeu a melhoria da rede de atendimento, apoio e aconselhamento às vítimas de violência e o reforço do combate ao tráfico e exploração comercial de mulheres, adolescentes e jovens, bem como a adopção das recomendações previstas nos tratados internacionais na área da violência contra as mulheres.

 

Aposta na prevenção

 

A juíza-conselheira presidente do Tribunal Constitucional considerou crucial apostar na prevenção, através de acções de sensibilização que concorram para a diminuição dos casos de violência contra a mulher, reforçar acções educativas e culturais que disseminem atitudes igualitárias e valores éticos que combatam a violência, bem como a formação das famílias e agentes da Polícia Nacional para a prevenção de casos de tráfico de mulheres e meninas.

 

O combate a este mal, referiu, não cabe apenas ao Estado, pois, requer a participação das famílias, instituições de ensino, igrejas e da sociedade em geral, porque a violência contra a mulher tem contornos transversais, fazendo como suas vítimas pessoas de diferentes classes sociais, proveniências, idades, religiões, estado civil, escolaridades ou raças.

 

Níveis da violência doméstica

 

Para a juíza-conselheira presidente do Tribunal Constitucional, a violência contra as mulheres atingiu proporções alarmantes que colocam em causa o princípio da dignidade da pessoa humana, o que despertou a atenção dos Estados Membros das Nações Unidas e não só, tendo como suporte os artigos 23 e 35 da Constituição da República de Angola e do artigo 2º da Carta Africana dos Direitos Humanos e dos Povos e o protocolo de Maputo.

 

No contexto angolano, disse, no âmbito da protecção dos direitos da mulher, aprovou-se a Lei 25/11, de 14 de Julho, Lei Contra a Violência Doméstica, e um número considerável de instrumentos normativos, que visam, essencialmente, combater a violência doméstica, definir a política nacional para a igualdade e equidade do género, fixar o regime jurídico do reconhecimento da união de facto por mútuo acordo, a dissolução da união de facto reconhecida e ainda o regime jurídico de protecção social do trabalhador doméstico.

 

Essas directrizes jurídicas, explicou, constituem mandamentos que se organizam numa agenda institucional de combate à violência contra a mulher, desde a infância até as demais fases da vida, o que justifica, uma vez mais, a importância da realização de acções para reflexão e busca de soluções para o problema.

 

Segundo a Organização Mundial da Saúde, recordou Laurinda Cardoso, a violência contra a mulher consiste em qualquer acto que resulte ou possa resultar em danos ou sofrimentos físicos, sexuais ou mentais, inclusive a ameaça de tais actos, coerção ou privação arbitrária de liberdade.

 

A violência contra a mulher, recordou, se manifesta sempre que uma rapariga é impedida de frequentar a escola, para auxiliar a mãe nas tarefas domésticas, no mercado informal ou na venda ambulante, ainda que seja para garantir a subsistência da família.

 

Constituem ainda formas de violência contra a mulher a realização forçada de um casamento tradicional, agressão mental e física pelo companheiro e assédio.

 

A busca pela dignificação e eliminação de todas as formas de violência e discriminação contra a mulher, referiu, encontra, igualmente, eco na Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável, em especial nos objectivos relativos ao alcance da igualdade de género e o empoderamento de todas as mulheres e raparigas.

 

 

Mulheres e crianças são as principais vítimas

 

A secretária de Estado para a Família e Promoção da Mulher, Alcina Kindanda, fez saber que, durante o ano de 2022, os centros de aconselhamento familiar de 11 províncias atenderam 8.348 casos de violência doméstica de diferentes tipologias, dos quais 2.105 foram praticados contra homens e 6.243 contra as mulheres.

 

Segundo Alcina Kindanda, de Janeiro a Novembro de 2023, com a reactivação da linha 15020 SOS Violência, foram atendidas 822 denúncias de violência doméstica, das quais 593 praticadas contra a mulher.

 

O Centro de Aconselhamento Familiar, explicou, recepcionou 1.288 casos, dos quais 1.140 contra a mulher, enquanto os gabinetes provinciais da Acção Social, Família e Igualdade de Género das províncias do Bié, Cabinda, Cuando Cubango, Cunene, Uíge e Zaire atenderam 1.006 casos, sendo 764 de violência contra a mulher.

 

O Instituto Nacional da Criança atendeu, em 2022, através da linha 15015 SOS Criança, 17.725 casos de violência contra menores, sendo 4.755 de fuga à paternidade, 993 de abuso sexual, 1.720 de agressão física e 1.434 de violência psicológica. Apesar de se ter registado uma certa redução, disse a secretária de Estado, os números são preocupantes.

 

Segundo a governante, a campanha nacional que decorre sob o lema “Prevenir a violência contra a mulher e menina, para fortalecer a unidade das famílias angolanas”, marca os 16 dias de activismo pelo fim da violência contra estas camadas sociais, que decorre até ao dia 10 de Dezembro próximo.

 

Com a realização da referida campanha, o MASFAMU pretende reforçar a parceria entre os diferentes intervenientes nesta causa social, consciencializar e sensibilizar a população no sentido de mudar de mentalidade, reprovando categoricamente todo tipo de violência baseada no género, privilegiando o diálogo como a via mais certa para a resolução dos conflitos.

 

“Estamos diante de um problema público e de direitos humanos, que impacta negativamente a vida de muitas famílias, ao ponto de ceifar vidas e desestruturar agregados familiares em Angola e no mundo em geral”, disse.

 

Alcina Kindanda recordou que se encontra em fase de consulta pública a Lei 25/11 Contra a Violência Doméstica, para actualização e alinhamento ao Código Penal, visando o reforço das medidas e mecanismos de prevenção e promoção da sã convivência das famílias angolanas, reforçar a sensibilização, assegurar a responsabilização criminal e moral do agressor, de modo a garantir a protecção das vítimas.

You may also like

O Apostolado Angola - Ontem, Hoje, amanhã e Sempre - Informação Com Credibilidade

O Apostolado – Jornal da Actualidade da CEAST – Conferência Episcopal de Angola e São Tomé e Príncipe, é um site de notícias e representa o ponto de vista a CEAST com relação aos notícias local e internacional.

2023 –  Direitos Reservados. Jornal o Apostolado.  Developed by TIIBS, Lda – TIIBS, Lda – Technology Consultants

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Ler Mais

Política de Privacidade & Cookies