Sexta-feira, Fevereiro 23, 2024

A FAF PRECISA ORGANIZAR-SE PARA O CAN-AKWÁ

Para ele, ultrapassadas todas as questões de organização, Angola tem qualidade para se impor às adversárias da fase inicial, designadamente a Argélia, Burkina Faso, Mauritânia e Camarões.

Por: apostolado
0 comentário

A Federação Angolana de Futebol deve acautelar a organização e logística da Selecção Nacional, visando melhor resultado no Campeonato Africano, de 13 de Janeiro a 11 de Fevereiro de 2024, na Côte d’Ivoire.

De acordo com o ex-capitão dos Palancas Negras (como é conhecida a equipa angolana), Fabrice Maieco “Akwá”, o objectivo deve ser a melhoria dos quartos-de-final das edições do Ghana`2008 e Angola`2010, metas só possíveis com melhor organização.

Em delcarações à imprensa, sexta-feira, por ocasião da exposição da Taça do Campeonato Africano, no quadro de um périplo pelos países qualificados, afirmou existirem talentos em Angola e que o maior problema é administrativo e desrespeito aos atletas.

O autor do golo que colocou Angola no único Campeonato do Mundo que participou (Alemanha`2006), citou a falta de pagamento de prémios e ordenados, estágio sem planificação, condições de alojamento e transporte sem dignidade como factores que fragilizam a selecção.

“A falta de ambição não tem sido por parte dos jogadores, porque até o treinador Pedro Gonçalves conseguiu mobilizar uma nata que pode ombrear com qualquer concorrente no CAN”, frisou, reiterando que o obstáculo está mesmo na má planificação dos objectivos.

De acordo com o antigo jogador, formado no Nacional de Benguela, o grupo de D, de Angola, é difícil, sendo importante que a direcção da federação mude o paradigma, se o objectivo for fazer igual ou melhor que nas provas de 2008 e 2010.

Para ele, ultrapassadas todas as questões de organização, Angola tem qualidade para se impor às adversárias da fase inicial, designadamente a Argélia, Burkina Faso, Mauritânia e Camarões.

Sobre a exposição da Taça no país, Akwá  referiu tratar-se de mais um tónico inspirador para os jogadores lutarem por um troféu definitivo, ou seja, para a conquista de um CAN.

Por sua vez, a directora-geral da Total Energies Marketing em Angola, Claire Dutertre, afirmou que a Taça do Campeonato Africano no país visa incentivar os jovens angolanos a lutarem pela sua conquista.

O troféu chegou à cidade de Luanda na quinta-feira, para um programa que incluia uma passeata não concretizada, devidos a forte chuva.

No entanto, entre as actividades realizadas, destaque para uma partida de futebol, no estádio dos Coqueiros, onde evoluiram jovens motoqueiros e taxistas.

No ocasião, os intervenientes tiveram a oportunidade de contacto directo com o troféu mais cobiçado do continente africano em futebol.

Depois de Luanda, o “caneco” passará pela Nigéria, África do Sul, Ghana, Marrocos, Zâmbia, Tanzânia, Camarões e Moçambique até chegar ao palco do evento, a Côte d’Ivoire, no dia 23 de Dezembro.

You may also like

O Apostolado Angola - Ontem, Hoje, amanhã e Sempre - Informação Com Credibilidade

O Apostolado – Jornal da Actualidade da CEAST – Conferência Episcopal de Angola e São Tomé e Príncipe, é um site de notícias e representa o ponto de vista a CEAST com relação aos notícias local e internacional.

2023 –  Direitos Reservados. Jornal o Apostolado.  Developed by TIIBS, Lda – TIIBS, Lda – Technology Consultants

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Ler Mais

Política de Privacidade & Cookies